Citações 93

Citações
Página 5 de 15« Primeira...34567...10...Última »

avatar

O problema é o seguinte: depois que eu e Marcelo nos separamos, eu continuei na divulgação da Thelema, através da Ordem dos Cavaleiros da Távola Redonda. Essa ordem não existe mais, funcionou em Paraíba do Sul. Era subsidiária da Sociedade Novo Æon, que era exatamente toda a propagadora da filosofia e da literatura thelêmica. Eu continuei através da Sociedade Novo Æon. Posteriormente, fundei a Ordem dos Cavaleiros de Thelema, que funcionou em Paraíba do Sul, e depois em Juiz de Fora. O líder em Juiz de Fora, nessa época, era o Tarcísio (Oliveira). Morreu. Quando ele morreu, acabou a ordem, findou com ele. E eu não dei procedimento. Porque eu cheguei à conclusão que esse negócio de grupo não resolve e não adianta! É preferível o estilo AA Quem está lá é da AA e pronto. Eu sou da AA, no entanto, eu não interfiro na vida de quem está lá e quem está lá não interfere na minha. Nunca. Mantemos nossa amizade, nossa irmandade, mantemos contato até com aqueles que brigam com a gente! Que continuam na AA também.”

Na A∴A∴, explicou, não existem rituais em grupo, como os praticados na maçonaria e em outras ordens. “Não existe! Qualquer ordem ou organização que se diga A∴A∴ e diga que tem, está mentindo. Ou está enganada, como dizia Marcelo Motta, ou está enganando”, ressaltou, citando uma das conhecidas frases de Motta. Aproveitou a menção para reforçar que apesar dos atritos dos dois, mantinha profunda admiração por seu ex-instrutor.

Marcio Beck em
Euclydes Lacerda de Almeida – Memórias e Reflexões

avatar

Apesar da maneira abrupta como terminou a relação dos dois, Euclydes refere-se a Motta com evidente consideração. “Quero ressaltar um ponto: embora eu tenha tido atrito com Marcelo Motta, tenho profunda admiração por ele até hoje. Não o venero, como dizem por aí, que eu tenho osso dele guardado em casa!”, diverte-se, contando em seguida o rumor de que teria ido ao cemitério de Teresópolis, onde Motta foi enterrado, e retirado de lá os ossos do antigo instrutor. “Não sei se foi o crânio, a tíbia, o fêmur… não sei nem qual foi! E que trouxe pra casa e uso como se fosse um ídolo, para adoração”.

Marcio Beck em
Euclydes Lacerda de Almeida – Memórias e Reflexões

avatar

Para Euclydes, o Livro da Lei marcava, simbolicamente, a época em que o ser humano devia assumir responsabilidade por seus atos, em vez de atribuí-los a poderes superiores. O desenvolvimento completamente novo era uma espécie de religião baseada não no temor do castigo divino ou universal, mas na expressão daquilo que representasse a verdadeira vontade de cada um. Era o segundo rompimento de Crowley com a “velha ordem” da magia, do segredo. O juramento da A∴ A∴, explicou-me, continha a frase “mistério é inimigo da verdade”. “Na primeira vez que li, eu realmente destruí o livro, coloquei fogo. Aí, liguei para o Marcelo e contei o que tinha feito. Ele riu e disse: Vou te mandar outra cópia.”

Marcio Beck em
Euclydes Lacerda de Almeida – Memórias e Reflexões

avatar

Ao morrer, em 1 de dezembro de 1947, seus discípulos na O.T.O. entraram em disputas explícitas e aguerridas pelo poder. Crowley foi ambíguo em suas declarações sobre quem deveria sucedê-lo. Karl Germer, seu secretário particular, era apontado em um documento como seu “agente e representante”. Grady Louis McMurtry e Kenneth Grant, alunos destacados, foram em diferentes momentos apontados como possíveis continuadores do trabalho mágico.

Marcio Beck em
Euclydes Lacerda de Almeida – Memórias e Reflexões

avatar

As sucessões conturbadas no meio thelêmico colaboraram para desvirtuar o foco dos trabalhos mágicos, segundo meu entrevistado, que manteve contato por correspondência com Kenneth Grant, discípulo direto de Crowley por mais de uma década. “Ele (Grant) começou a se ligar a um sistema que chamamos de tifoniano, misturando (thelema) com aquelas histórias de seres extraterrestres e tal, confundiu a coisa toda. A minha organização aqui era registrada no santuário interno da O.T.O., mas depois comecei a me afastar dele. Quem começou a se ligar a ele foi uma pessoa de Minas Gerais, que começou a inventar um monte de coisa que não interessa saber, mas ele tem o direito de fazer o que ele bem entender. A coisa começou a degringolar, começou a surgir O.T.O. para tudo que é lado”.

Marcio Beck em
Euclydes Lacerda de Almeida – Memórias e Reflexões

avatar

O mais importante é expandir a aplicabilidade de Thelema e não fechar seus conceitos dentro de uma caixa. A Vontade de um indivíduo pode se manifestar de qualquer forma, por isso, é correto afirmar que a Lei de Thelema é aplicável a tudo, pois, Lei é aquilo que se liga. Os “princípios” Thelêmicos demonstram como entender o seu próprio Universo e com isso, sua essência nesse Universo.

Jonatas Lacerda em
Guia de Leitura: Thelema e Religião

avatar

A ignorância das leis da natureza e de suas próprias capacidades. A dificuldade em explicar fenômenos externos e angustias pessoais, resultaram em subordinação ao desconhecido, muitas vezes atribuindo superioridade existencial.

Frater Keron-ε em
In Nomini Dei Nostri Diaboli

avatar

Em Thelema como na maioria das verdadeiras filosofias iniciáticas, o universo é colocado sob uma ótica antropocêntrica, deslocando demônios a condições pessoais.

Frater Keron-ε em
In Nomini Dei Nostri Diaboli

avatar

Ao assumir o título de “Besta 666”, além de o faze-lo por razões cabalísticas, Aleister Crowley o fez a fim de chocar e combater o pensamento sentimentalista cristista, principalmente o pensamento ortodoxo vitoriano, que certamente o traumatizou na infância, pois era filho de fundamentalistas cristãos e foi severamente instruído nessa filosofia. O mesmo ao adotar a nomenclatura cristã em vários de seus conceitos.

Frater Keron-ε em
In Nomini Dei Nostri Diaboli

avatar

O perigo do thelemita de primeira viagem, ou o do mal instruído, é vestir a camisa do “cuspidor de cruz” e cometer erros do tipo de certos grupos protestantes e, em última instância, o do próprio capitão Ahab.

Frater Keron-ε em
In Nomini Dei Nostri Diaboli

avatar

Os escravos servirão” disse Aiwass. E o que acontece quando somos escravos de nós mesmos?

Frater Keron-ε em
In Nomini Dei Nostri Diaboli

Página 5 de 15« Primeira...34567...10...Última »
show
 
close
rss Follow on Twitter facebook youtube email