Livros

Liber CCC – Khabs Am Pekht

por Aleister Crowley em Lei de Thelema

Liber CCC – Khabs Am Pekht

Liber CCC – Khabs Am Pekht

Sigillum Sanctum Fraternitatis A∴A∴
A∴A∴
Publicação em Classe E.

Metodologia

Liber CCC – Khabs Am Pekht

por Aleister Crowley

UMA EPÍSTOLA DE THERION 9º=2, um Magus da A∴A∴ ao Seu Filho, sendo uma Instrução em um assunto de total importância, a saber, os meios a serem obtidos para estender o Domínio da Lei de Thelema através de todo o mundo.

Filho,

Faze o que tu queres deverá ser o todo da Lei.

PRIMEIRAMENTE, deixe que tua atenção seja direcionada para este planeta, como o Æon de Hórus é tornado manifesto pela Guerra Universal. Este é o primeiro resultado grande e direto do Equinócio dos Deuses e é a preparação dos corações dos homens para a recepção da Lei.

Deixai-Nos recordá-lo de que esta é uma fórmula mágicka de âmbito cósmico e que ela é dada com detalhes exatos na lenda do Tosão de Ouro.

Jasão, que nesta estória representa a Besta, a princípio se prepara uma embarcação guiado pela Sabedoria ou Athena e esta é a sua aspiração à Grande Obra. Acompanhado por muitos heróis, ele chega ao local do Tosão, mas eles não conseguem fazer nada até que Medéia, a Mulher Escarlate, coloca em suas mãos uma poção “misturada com substâncias soníferas, Entorpecida com papoula e heléboro branco” para dar ao dragão. Então Jasão torna-se capaz de subjugar os touros, Consagrados a Osíris, e simbolicamente do seu Æon e da Fórmula Mágicka do Auto Sacrifício. Com estes ele lavra o campo do mundo e semeia ali “os terríveis dentes da miséria, Produtos da velha miséria Cadmeana[1] de Tebas”, o que se refere a uma certa fórmula mágicka anunciada pela  Besta que é familiar à ti, porém inadequada para o profano e, portanto, não mais neste local indicado. Destas sementes, homens armados surgiram e tomaram vida; mas ao invés de atacá-Lo, “a loucura mútua ataca Os guerreiros fracos de espírito, e uma ira feroz invade os Seus corações com fúria, e com armas empunhadas, Eles caem uns sobre os outros silenciosamente, E se reviram, e reviram”. Assim, tendo o Dragão adormecido, eles podem passar por ele silenciosamente, e “arrancando os ramos daquele Carvalho mágico, Com uma forte puxada cortam os Tosões de Ouro”.

Deixe-nos apenas recordar para não repetir o erro de Jasão, e desafiar Ares, que é Hórus no seu aspecto guerreiro, que o guarda, a menos que Ele também nos atinja com a loucura. Sim! Mas que tudo seja feito para a glória de Ra-Hoor-Khuit e o estabelecimento de Seu perfeito reinado!

Agora, Oh meu filho, tu sabes que é Nossa vontade estabelecer esta Obra, realizando completamente aquilo que nos é ordenado em O Livro da Lei, “Ajuda-me, ó senhor guerreiro de Tebas, no meu desvelar perante os Filhos dos homens!” – e esta é a Tua vontade, se manifestando como fizestes na Esfera de Malkuth o mundo material, fazer esta mesma coisa de um modo ainda mais imediato e prático do que seria naturalmente solicitado àquele cuja manifestação está no Céu de Júpiter. Assim, portanto Nós agora respondemos ao Teu pedido de filho que solicita bom conselho de Nós com relação às medidas a serem tomadas para estender a Lei de Thelema através de todo o mundo.

Portanto, direcione agora a tua atenção rigorosamente para o próprio Livro da Lei. Nele descobrimos uma regra de vida absoluta, e clara instrução para toda emergência que possa ocorrer. Então quais são as Suas próprias orientações para a frutificação d’Aquela Semente Inefável? Observa, rogo a ti, a confiança com a qual podemos proceder. “Eles deverão reunir minhas crianças em sua congregação: eles deverão trazer a glória das estrelas para os corações dos homens.” Eles ‘vão’; não há dúvida. Então não duvide, mas combate com toda a tua força. Observa também, rogo a ti, esta palavra: “A Lei é para todos”. Portanto não ‘selecione pessoas adequadas’ pela tua sabedoria mundana; prega abertamente a Lei para todos os homens. Pela Nossa experiência Nós descobrimos que os meios mais improváveis produziram os melhores resultados; e deveras esta é quase a definição de uma verdadeira Fórmula Mágicka onde os meios devem ser inadequados, racionalmente falando, para o fim proposto. Observa, rogo a ti, que Nós estamos obrigados a ensinar. “Ele deve ensinar, mas ele pode tornar severos os ordálios”. Isto se refere, entretanto, como se torna evidente no contexto, à técnica da nova Mágicka, “os mantras e encantamentos, o obeah e wanga; o trabalho da baqueta e o trabalho da espada”.

Observa, rogo a ti, a instrução em CCXX[2] I:41-n-44, 51, 61, 63 k.t.l. na qual Nós ampliamos em Nosso livreto A Lei da Liberdade, e em cartas privativas para ti e para outros. A pregação aberta desta Lei, e a prática destes preceitos, provocarão discussão e animosidade, e então posiciona-te numa tribuna de onde possas falar para as pessoas.

Observa, rogo a ti, este mentor: “Lembrai todos vós que a existência é puro prazer; que todas as tristezas são nada mais que sombras; elas passam e pronto; mas existe aquilo que permanece”. Pois esta doutrina confortará a muitos. Também há esta palavra: “Eles regozijarão, os nossos escolhidos: quem se lamenta não é de nós. Beleza e força, gargalhada vibrante e leveza deliciosa, força e fogo, são de nós”. Deverás de todas as formas que puderes mostrar o júbilo da nossa Lei; sim, pois tu extravasarás com a alegria desta, e não terá a necessidade de palavras. Poderia ser mais ainda impertinente e tedioso chamar novamente a tua atenção para todas aquelas passagens que conheces tão bem. Observa, rogo a ti, que no assunto da instrução direta é o suficiente. Considere a passagem “Escolhei vós uma ilha! Fortificai-a! Adubai-a ao redor com engenharia de guerra! Eu vos darei uma máquina de guerra. Com ela vós atingireis as pessoas; e ninguém permanecerá de pé perante vós. Espreitai! Recuai! Sobre eles! esta é a Lei da Batalha de Conquista: assim será a minha adoração ao redor de minha casa secreta.”. A última frase sugere que a ilha pode ser a Grã Bretanha, com suas Minas e Tanques; e é digno de nota que um certo irmão comprometido com a A∴A∴ está no mais secreto dos Conselhos de Guerra da Inglaterra neste momento. Mas é possível que toda esta instrução se refira a algum tempo futuro quando a nossa Lei, administrada por alguma Ordem tal como a O.T.O., que se preocupa com assuntos temporais, tenha peso nos conselhos do mundo e seja desafiada pelos ignorantes, e pelos seguidores dos deuses e semideuses caídos.

Observa, rogo a ti, o método prático para derrotar a oposição oferecido em CCXX III:23-n-26. Mas isto não é para o Nosso propósito imediato nesta epístola. Observa, rogo a ti, a instrução nos versos 38° e 39° do Terceiro Capítulo de O Livro da Lei. Ela deve ser citada por completo.

“De modo que a tua luz esteja em mim; e sua chama vermelha é como uma espada em minha mão para cumprir a tua ordem”.

Isto é, o próprio Deus está inflamado com a Luz d’A Besta, e ele mesmo empurrará a ordem, através do fogo (talvez significando o gênio) d’A Besta.

“Há uma porta secreta que Eu farei para estabelecer o teu caminho em todas as direções, (estas são as adorações, como tu escreveste), como é dito:

A luz é minha; seus raios consomem

A mim: Eu fiz uma porta secreta

Para dentro da Casa de Ra e Tum

De Khephra e de Ahathoor.

Eu sou o teu Tebano, Ó Mentu,

O profeta Ankh-af-na-khonsu!

 

Por Bes-na-Maut em meu peito Eu bato;

Pelo sábio Ta-Nech Eu teço o meu encanto.

Mostrai o teu esplendor estrelado, Ó Nuit!

Convidai-me para habitar na tua Casa,

Ó serpente alada de luz, Hadit!

Morai comigo, Ra-Hoor-Khuit!”


No comentário do Equinox I(7) esta passagem é virtualmente ignorada. É possível que esta “porta secreta” se refira aos quatro homens e quatro mulheres, referidos mais adiante em O Trabalho de Paris, ou ela pode significar a criança profetizada em outra parte, ou alguma preparação secreta dos corações dos homens. É difícil decidir sobre tal ponto, mas podemos estar certos de que o Evento irá mostrar que o texto exato estava assim velado para nos provar a absoluta previsão por parte d’Aquele Anjo Santíssimo que proferiu o Livro.

Observa, rogo a ti, mais adiante, no verso 39, como o assunto procede:

“Tudo isso”–i.e. O próprio Livro da Lei.

“e um livro para dizer como tu viestes” isso é, algum registro tal como aquele em O Templo de Salomão o Rei.

“e uma reprodução desta tinta e papel para sempre” isso é, por meio de algum processo mecânico, possivelmente com uma amostra de papel similar àquele empregado.

“– pois nisso está a palavra secreta e não apenas no Inglês –”

Compare CCXX III:47, 73. O segredo ainda não foi revelado para Nós.

“e teu comento sobre este Livro da Lei será belamente impresso em tinta vermelha e preta sobre belo papel feito à mão;” isso é, explique o texto “para que não haja tolice” como é dito antes, CCXX I:36.

“e para cada homem e mulher a quem tu conheceres, mesmo que seja apenas para comer e beber com eles, esta é a Lei a ser dada. Então eles terão a chance de permanecer neste êxtase ou não; isso não é problema. Fazei isso rapidamente!”

A partir disso se torna evidente que um volume deve ser preparado tal como foi explicado – A Parte IV do Livro 4 tinha a intenção de atender à este propósito – e que este livro deve ser distribuído amplamente, de fato, para todos com quem se venha a encontrar dentro das relações sociais.

Nós não devemos extrapolar esta dádiva fazendo pregações e coisas do tipo. Eles podem aceitá-la ou recusá-la.

Observa, rogo a ti, o verso 41 deste capítulo:

“Estabelecei um escritório na tua Kaaba: tudo deve ser bem feito e com modos de negócio”.

Deveras esta é uma instrução muito clara. Deverá haver uma organização comercial moderna centralizada na Kaaba – a qual, Nós supomos, não significa Boleskine, porém qualquer matriz conveniente.

Observa, rogo a ti, no verso 42 deste capítulo o mandamento: “Sucesso é a tua prova: não discutas; não convertas; não fales demasiado!”. Isso não é uma proibição para uma explicação da Lei. Nós podemos ajudar os homens a arrancar os seus próprios grilhões; mas os que preferirem a escravidão deverão ter permissão para assim fazê-lo. “Os escravos servirão”. A excelência da Lei deve ser mostrada através dos seus resultados para aqueles que a aceitarem. Quando os homens nos virem como os ermitões de Hadit descritos em CCXX II:24, eles se determinarão a imitar a nossa alegria.

Observa, rogo a ti, toda a sugestão do capítulo de que, mais cedo ou mais tarde, nós quebraremos o poder dos escravos dos deuses-escravos através de batalha real. Por fim, a Liberdade dependerá da espada. É impossível tratar nesta epístola dos vastos problemas envolvidos nesta questão; e eles devem ser decididos de acordo com Lei por aqueles com autoridade na Ordem quando chegar a hora. Tu perceberás que Nós escrevemos a ti mais como um membro da O.T.O., do que na tua capacidade como sendo da A∴A∴, pois aquela primeira organização é coordenada e prática, e se preocupa com as coisas materiais. Porém lembra-te claramente disso, que a Lei se origina da A∴A∴, não da O.T.O. Esta Ordem nada mais é do que o primeiro dos grandes corpos religiosos a aceitar esta Lei oficialmente, e todo o seu Ritual foi revisado e reconstituído de acordo com esta decisão. Agora então, deixando O Livro da Lei, observa, rogo a ti, as seguintes sugestões adicionais para estender o Domínio da Lei de Thelema através de todo o mundo.

  1. Todos aqueles que tiverem aceitado a Lei deverão anunciar a mesma nas suas relações diárias. “Faze o que tu queres deverá ser o todo da Lei” será a forma invariável de saudação. Essas palavras, especialmente no caso de estranhos, devem ser pronunciadas numa voz clara, firme e articulada, com os olhos intensamente fixados no interlocutor. Se o outro for um de nós, que ele responda “Amor é a lei, amor sob vontade”. A última sentença também será usada como o cumprimento de despedida. Por escrito, onde a saudação é habitual, ela deverá ser como acima, começando por “Faze o que tu queres deverá ser o todo da Lei” e encerrando com “Amor é a lei, amor sob vontade”.
  2. As reuniões sociais deverão ser realizadas tão frequentemente quanto for conveniente, e nestes a Lei deverá ser lida e explicada.
  3. Os tratados especiais escritos por Nós, ou autorizados por Nós, devem ser distribuídos para todas as pessoas com quem aqueles que aceitaram a Lei possam estar em contato.
  4. Os trâmites para o estabelecimento de outras Universidades e Escolas de Thelema, bolsas e professores adjuntos e outros deverão ser providenciados nas Escolas e Universidades existentes, de modo a garantir o estudo geral dos Nossos escritos, e aqueles autorizados por Nós como pertencentes ao Novo Æon.
  5. Todas as crianças e jovens, embora possam não estar aptos para compreender os mais exaltados céus do nosso horóscopo, sempre poderão ser ensinados a dirigir as suas vidas de acordo com a Lei. Nenhum esforço deverá ser poupado para trazê-los a esta emancipação. A miséria causada às crianças pela atuação da lei dos deuses-escravos foi, pode-se dizer, o primum mobile[3] da Nossa primeira aspiração para derrubar a Velha Lei.
  6. Através de todos os meios possíveis todos lutarão constantemente para aumentar o poder e a liberdade das Sedes O.T.O.; pois assim se tornarão eficientes na promulgação da Lei. Serão dadas instruções específicas para a ampliação da O.T.O., em outra epístola.

A prática constante destas recomendações desenvolverá habilidade naquele ou naquela que assim o fizer, de modo que novas ideias e planos serão desenvolvidos continuamente.

Além disso, é correto que todos e cada um se comprometam através de um Juramento Mágicko para que possa assim tornar a Liberdade perfeita, mesmo por uma obrigação, como está devidamente escrito no Liber III. Amém.

Agora, filho, observa, rogo a ti, em que casa Nós escrevemos estas palavras. Pois ela é uma pequena casa de campo vermelha e verde, na margem ocidental de um grande lago, e ela está oculta na mata. O homem, portanto, está em desarmonia com a Madeira e a Água; e sendo um mago, pondera em Ele mesmo apanhar um destes inimigos, a Madeira, que é tanto o efeito quanto a causa daquele excesso de Água, e a obrigar a lutar por Ele contra o outro. O que, então, Ele fez? Oh sim, Ele tomou para si o Ferro de Marte, um Machado, um Serrote, uma Cunha e uma Faca, após o que Ele partiu a Madeira contra si mesmo, dividindo-a em muitos pedaços pequenos, de modo que ele não tinha mais qualquer força contra a Sua vontade. Bom; então Ele tomou o Fogo de nosso Pai, o Sol, e o estabeleceu diretamente na formação da batalha contra aquela Água através do Seu exército de Madeira que ele havia conquistado e treinado, alinhando-o numa linha de batalha como em um Cone, que é a mais nobre de todas as figuras sólidas, sendo a Imagem do Próprio Santo Falo, combinando em si mesmo a Linha Reta e o Círculo. Assim, filho, Ele agiu; e o Fogo acendeu a Madeira e o calor dali proveniente eliminou a Água de lá. Ainda assim esta Água é um adversário astuto, e Ele fortaleceu Madeira contra Fogo impregnando-o com muito de sua própria substância, como se fosse través de espiões na cidadela de qualquer aliado que não seja de inteira confiança. Portanto, o que o Mago deve fazer agora? Ele deve primeiro expelir completamente a Água da Madeira por uma invocação do Fogo do Sol, nosso Pai. Quer dizer, sem a inspiração do Altíssimo e Santo, até mesmo Nós nada poderíamos fazer em absoluto. Então, filho, começa o Mago a acender Seu Fogo na pequena Madeira seca, e aquela põe fogo na Madeira de tamanho médio, e quando aquela flameja brilhantemente, finalmente acende o fogo nas toras maiores, que embora sendo completamente verdes, não obstante são acesas.

Então, filho, ouve com atenção esta Nossa reprovação, e empresta o ouvido do teu entendimento à parábola desta Mágicka.

Nós temos para o Início completo da Nossa Obra, louvores sejam dados eternamente ao Seu Santo Nome, o Fogo do nosso Pai, o Sol. A inspiração é nossa, e nossa é a Lei de Thelema que inflamará o mundo. E Nós temos muitos gravetos secos, que acendem e se queimam rapidamente, deixando a Madeira maior apagada. E as grandes toras, as massas da humanidade, estão sempre conosco. Mas a nossa necessidade mais pungente é daqueles feixes médios que, por um lado são facilmente acesos pela Madeira pequena e que, por outro lado, se conservam até que as grandes toras se acendam.

(Vide o quão triste é, disse o Macaco de Thoth, por alguém ser tão santo que não possa cortar uma árvore e cozinhar sua comida sem ter que elaborar sobre ela uma longa e tediosa lição de Moral!)

Que esta epístola seja copiada e distribuída entre todos aqueles que tenham aceitado a Lei de Thelema.

Recebe agora a Nossa bênção paterna: que a Bênção do Criador esteja sobre ti.

Amor é a lei, amor sob vontade.

ΘΗΡΙΟΝ 9º=2 A∴A∴

Entregue sob Nossa mão e selo neste dia do An XII, estando o Sol nosso Pai em 12° 42’ 2’’ do signo de Leo, e a Lua em 25° 39’ 11’’ do signo de Libra, da Casa do Prestidigitador, que está próxima ao Lago Pasquaney no Estado de New Hampshire.

Notas de Rodapé    (↵ voltar)
  1. Nota do Tradutor: Relacionado a Cadmus, um lendário príncipe de Tebas. ↵ voltar
  2. Liber Legis, O Livro da Lei. ↵ voltar
  3. Nota do Tradutor: A causa principal. ↵ voltar

© 2016 e.v. - O.T.O. - Ordo Templi Orientis





Liber CCC – Khabs Am Pekht

Tradução: Arnaldo Lucchesi Cardoso
Revisão: Nina Castro
Edição: Jonatas Sas Lacerda
Versão: 1.0 – 15/07/2011 e.v.
Nota:

Epístola escrita por ΘΗΡΙΟΝ 9º=2 A∴A∴ (Aleister Crowley) ao seu Filho mágico, O.I.V.V.I.O. 8º=3A∴A∴ (Charles Stansfeld Jones), publicada originalmente no The Equinox III Nº 1 (1919). Praticamente todas as citações nela contida são d’O Livro da Lei. Khabs am Pekht significa Luz em Extensão em Egípcio.


avatar

Aleister Crowley

Aleister Crowley, nascido Edward Alexander Crowley (12/10/1875, Royal Leamington Spa, Warwickshire, Inglaterra - 01/12/1947, Hastings, East Sussex, Inglaterra), ocultista britânico e Profeta do Novo Æon de Hórus.

show
 
close
rss Follow on Twitter facebook youtube email